Close
7 fatos fascinantes sobre a Abadia de Westminster

7 fatos fascinantes sobre a Abadia de Westminster

Com uma história que se estende por séculos, Musement dá uma olhada em sete fatos fascinantes sobre a Abadia de Westminster.

Um emblema de Londres e, para os amantes de todas as coisas ligadas a realeza, o pano de fundo do casamento de conto de fadas do Príncipe William e Kate em 2011, a Abadia de Westminster tem uma história que se estende por séculos. A impressionante estrutura gótica remonta ao ano de 1066. Hoje é uma visita obrigatória para quem visita Londres, a Igreja Real e Patrimônio Mundial da UNESCO também esconde alguns segredos intrigantes e curiosidades. Confira sete fatos fascinantes sobre a Abadia de Westminster.

1. Uma verdade peculiar

Apesar do nome, a Abadia de Westminster não é oficialmente uma “abadia”. A igreja entra na categoria de “Peculiar Real”, o que significa que pertence ao soberano e não à Igreja da Inglaterra. Seu nome oficial é Igreja Colegiada de São Pedro, Westminster. Em seus primeiros dias, a igreja era um mosteiro para monges beneditinos, e o apelido ficou depois que Henrique VIII a dissolveu no século XVI.

2. Enterros significativos

A igreja é o local de descanso final de mais de 3.500 figuras ilustres, incluindo Sir Isaac Newton e Stephen Hawking, bem como 17 monarcas britânicos e seus consortes, como Henrique VII e Elizabeth I. O Canto dos Poetas localizado no transepto sul da Abadia contém os restos mortais de dezenas de escritores, incluindo Geoffrey Chaucer, Charles Dickens, Robert Browing e Lord Alfred Tennyson, e faz homenagens a Shakespeare, Jane Austen, Emily Bronte e Elizabeth Barrett Browning. A Tumba do Guerreiro Desconhecido, na qual um soldado britânico desconhecido da Primeira Guerra Mundial repousa, fica perto da entrada e é proibido andar sobre ela. As recentes noivas reais Kate Middleton, Princesa Eugenie, Princesa Beatrice e Meghan Markle colocaram ou enviaram seus buquês de casamento para serem deixados em seu túmulo.

3. Casamentos reais

Por falar em casamentos, a igreja presidiu diversos matrimônios reais. Além dos Cambridges, o príncipe Albert, o duque de York, eventualmente rei George VI, e Lady Elizabeth Bowes-Lyon se casaram aqui em 1923, seguidos por suas filhas, a princesa (agora rainha) Elizabeth (II) e Philip Mountbatten em 1947 e a princesa Margaret e Anthony Armstrong Jones em 1960. O filho do soberano, o príncipe Andrew, o duque de York e a filha, a princesa Ann, também celebraram suas bodas aqui. Andrew casou-se com Sarah Ferguson em 1986 e Ann com o capitão Mark Philips em 1986.

4. Nostálgicos bonecos de cera

Localizada em uma das partes mais antigas da igreja, a galeria de cera apresenta criações em cera de vários monarcas, esta parte da igreja permaneceu fechada por 700 anos. Essas figuras em tamanho real foram criadas para representar os falecidos em seus funerais e estão atualmente expostas nas Galerias do Jubileu de Diamante da Rainha, inauguradas em 2018. As figuras incluem recriações em tamanho real da Rainha Elizabeth I, Carlos III, e de vários outros monarcas. O espaço é limitado, portanto, reserve um bilhete de 5 £ para um horário designado com antecedência.

5. A pedra da discórdia

A Cadeira de Santo Eduardo ou o Trono do Rei Eduardo, mais conhecida como a Cadeira da Coroação, é um dos destaques da Abadia de Westminster. O Rei Eduardo I encomendou esta cadeira de carvalho para abrigar a Pedra do Destino, uma relíquia escocesa que foi adquirida pela Inglaterra. O carpinteiro Walter Durham construiu a cadeira entre 1297 e 1300 e, desde 1308, ocupa um lugar emblemático durante a coroação de todos os monarcas britânicos. Um olhar mais atento revela várias marcas de grafite. Como a cadeira não era protegida nos séculos XVIII e XIX, os alunos gravaram seus nomes na superfície da cadeira. E uma olhada mais de perto na base revelará que a pedra não está no lugar. Cidadãos escoceses invadiram a abadia em 1950 e acidentalmente quebraram o objeto em duas partes ao tentar desmontá-lo da cadeira e leva-lo de volta ao seu país. A pedra acabou voltando para a Inglaterra, mas foi devolvida à Escócia em 1996. Hoje, ela fica no Castelo de Edimburgo e estará disponível para futuras cerimônias de coroação.

6. A porta mais antiga da Grã-Bretanha

A porta de carvalho no corredor que liga a Casa do Capítulo à abadia foi recentemente datada do ano de 1050. A madeira usada veio de Hainault, que hoje é um bairro residencial no Nordeste de Londres.

7. Morte após a morte

Oliver Cromwell, uma figura altamente controversa na história britânica, dissolveu a monarquia após a execução do rei Carlos I em 1649, pondo fim à guerra civil inglesa entre monarquistas e parlamentares. Depois de declarar a “Comunidade”, Cromwell foi nomeado “Lorde Protetor” e governou a Inglaterra até sua morte em 1658. Após um grande funeral público, seus restos mortais foram enterrados na abadia. Seu filho o sucedeu, mas não durou muito no cargo. Dois anos depois, Carlos II foi restaurado como rei e os monarquistas exumaram o corpo de Cromwell e fizeram uma execução póstuma por traição. Sua cabeça foi exibida em um poste em frente ao Westminster Hall até que uma tempestade a derrubou. Mais tarde, ela passou de mão em mão entre muitos colecionadores até que, em 1960, foi enterrada no Sidney Sussex College, em Cambridge.

View this post on Instagram

Oliver Cromwell was born in Huntingdon on April 25th, 1599, into the English middle gentry. He received an excellent education and was therefore able to study law at the university of Cambridge. It was at this time, that Cromwell came in touch with puritanism for the first time. In 1628, he was elected MP of the House of Commons, however, he wasn't able to take up his duties, since the Parliament was dissolved a year later by Charles I. Fourteen years later, in 1642, the English Civil War broke out, whereupon Oliver Cromwell was appointed commander of the Ironsides, who quickly became the elite of the Parlamentarian army. On January 30th, 1649, the Civil War ended, whereupon the King was beheaded. From there on, Cromwell ruled as Lord Protector over the Commonwealth of England. In the following years, he waged several wars and showed no mercy against Scotish and Irish royalists. Oliver Cromwell died on September 3rd, 1658. ===================== ✔ NON POLITICAL POSTS ✔ NO ADVERTISEMENT ✔ Follow for more 🍀 ✔ Comment below 👇 My Allies: @serious.history @world_history_nut @history.pearls @geschi.fakten @in_love_with_history @historians_union_main @apageallabouthistory_ @hashtaghistory_podcast ===================== #history #thehistoryclub #historyinstagram #historicalseries #historypub #king #queen #united_historians #historiansunion #wwi #wwii #olivercromwell #cromwell #cambridge #houseofcommons #parliament #democracy #monarchy #charlesi #civilwar #military #commonwealth #lordprotector

A post shared by Historians Union | History (@history.faces) on

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Close