Close
Leonardo da Vinci em 5 pinturas

Leonardo da Vinci em 5 pinturas

Mistério, inteligência e beleza. Para comemorar o 500º aniversário da morte de Leonardo da Vinci, Musement analisa algumas curiosidades encontradas nas obras do gênio renascentista.

Todo mundo conhece Leonardo da Vinci, muitos estudaram seu trabalho, enquanto outros o leram por interesse pessoal. Sua genialidade atemporal combinada com a aura de mistério que o envolve constantemente, apenas aumentam a intriga desse personagem extraordinário.

2019 marca um evento importante: o 500º aniversário de sua morte e, com sede em Milão, seremos negligentes se não reconhecermos. Já discutimos as curiosidades de uma das grandes obras-primas de Leonardo, “A Última Ceia”, mas os marcos merecem celebração, por isso criamos um mapa interativo onde você pode descobrir curiosidades e lugares que abrigam 24 das obras de Leonardo.

Abaixo, você encontrará segredos, curiosidades e anedotas interessantes sobre cinco desses trabalhos.

1. Um anjo com asas de pássaros: a Anunciação

Leonardo pintou “A Anunciação”, uma de suas primeiras obras, enquanto trabalhava na oficina de Verrocchio. Durante séculos, os críticos são incertos se atribuem a ele o mérito deste trabalho. Os elementos curiosos incluem as flores brancas que o anjo dá a Maria, um símbolo de sua pureza, no estranho ângulo dos braços da Virgem. Mas as asas do anjo chamam a atenção: na Idade Média, os anjos eram representados com asas de pavão, que simbolizavam a imortalidade, pois, se acreditava que sua carne era incorruptível. Leonardo escolheu se afastar da tradição e projetou asas de pássaro para Gabriel, que foram posteriormente estendidas por outro artista para torná-las mais semelhantes, pelo menos em tamanho, às de um pavão.

https://www.instagram.com/p/Bu9s4nEAW11/

2. “A Dama de Arminho”, a socialite milanesa

Cecilia Gallerani foi uma das primeiras ‘It Girls’ da história: não apenas a jovem socialite milanesa desfrutou do privilégio de ter o grande Leonardo pintando seu retrato, mas a pintura também oferece um vislumbre da moda de seu tempo. O colar de pérolas negras é seu único acessório e o cabelo no “estilo espanhol” de acordo com os padrões milaneses: uma colheita com uma parte no meio e uma trança dobrada nas costas, tudo sob um véu. Uma mecha de cabelo passa sob o queixo, presumivelmente nas duas bochechas, para emoldurar seu rosto.

3. A cabeça de uma mulher em 1998

Este esboço fez uma participação especial no filme de 1998, ‘Ever After: A Cinderella Story’, uma adaptação cinematográfica incomum do conto de fadas de Perrault. Drew Barrymore interpreta Danielle de Barbarac / Cinderela, a serviço da perversa Anjelica Huston, e o ‘Padrinho das Fadas’ que intervém para salvar o dia não é outro senão o Maestro da Vinci. No filme, Leonardo é convidado para a corte francesa e, enquanto prova uma de suas brilhantes invenções, conhece Danielle. Ele é fascinado por sua força mental, inteligência aguda e cultura sem fim, e não apenas tenta convencer o príncipe a olhar além da condição humilde da garota, mas também a ajuda a assistir ao baile, cuidando do seu vestido e ajudando-a escapar da casa onde sua madrasta a mantém como sua prisioneira. Durante o final feliz, ele presenteia Danielle com um retrato de si mesma: The Head of a Woman – com uma pequena diferença do original, pois era o mais parecido possível com Drew Barrymore.

4. Os advogados do diabo: o roubo de Madonna do fuso

Esta obra traz um elemento de intriga digno de um romance de mistério. A “Madonna dei Fusi” pertencia ao duque de Buccleuch, que gostava tanto dela que, segundo dizem, a levou de castelo em castelo. A pintura, no entanto, foi roubada em 2003 do castelo de Drumlanrig, debaixo do nariz do duque, por dois ladrões da Nova Zelândia que se apresentavam como policiais de plantão. É claro que o duque fez todo o possível para encontrar a pintura e contratou investigadores de elite privados, mas durante anos ninguém foi capaz de levar a obra para casa. Em 2007, um advogado ligou para um dos investigadores do duque alegando conhecer a localização da pintura e prometendo seu retorno. Em uma operação envolvendo agentes disfarçados e equipes especiais de combate ao crime que levaram à prisão de quatro pessoas, incluindo alguns advogados de alguns dos mais renomados escritórios de advocacia da Escócia, a pintura foi recuperada. Infelizmente, seu legítimo proprietário, o duque de Buccleuch, nunca mais viu seu precioso tesouro – ele morreu um mês antes de ser encontrado.

5. Jesus, João Batista e o Culto ao Sol na Virgem das Rochas

A “Virgem das Rochas”, juntamente com a “Última Ceia” e “Mona Lisa”, despertou a imaginação e a especulação de críticos, pesquisadores, escritores e entusiastas do mistério, já que dizem que a pátina cristã esconde um mistério esotérico. A “Virgem das Rochas” foi encomendada a Leonardo em 1483 pela Confraria Milanesa da Imaculada Conceição e incluiu uma composição diferente da que é visível hoje: deveria ter sido o painel central de um tríptico para representar Madonna na presença de Deus junto com um grupo de anjos. Por que Leonardo se desviou tanto do assunto pretendido? Existem algumas teorias por aí. Segundo alguns, Da Vinci montou o cenário na caverna de São João Batista em Laorca, um lugar acima de Lecco que o povo celta frequentava nos tempos antigos para visitar um assento de fertilidade apontado para o sol nascente. Este particular, combinado com a posição de Jesus e João Batista, levou alguns a acreditar que a vontade de Leonardo era representar dois momentos do ciclo solar, fundamentais, entre outras coisas, em muitos cultos pagãos. A Confraria não aceitou este trabalho e Leonardo foi forçado a criar outra pintura.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Close