Close
5 coisas que você não sabia sobre o Castelo Sant’Angelo

5 coisas que você não sabia sobre o Castelo Sant’Angelo

Musement selecionou algumas curiosidades sobre o Castelo Sant’Angelo, um dos monumentos mais famosos e importantes de Roma.

Roma é uma cidade repleta de atividades turísticas: do Fórum Romano até o Coliseu, praças mais populares, cada esquina de Roma conta partes de uma história centenária, com todo o charme do mundo antigo.

Um dos mais famosos monumentos de Roma, talvez tão icônico quanto a Basílica de São Pedro, é o Castel Sant’Angelo que foi concluído em 139 d.C., por Antonino Pio, sendo mais tarde utilizado como um forte e prisão. Contar sua história significa revelar alguns segredos de uma parte incomum da trajetória romana, não tão conhecida, e por vezes, até macabra.

Aqui estão cinco fatos interessantes sobre o Castelo Sant’Angelo que talvez você não saiba.

1. O nome

Até 590 d.C., o monumento que todos nós conhecemos como Castelo Sant’Angelo era chamado de Mausoléu de Adriano, pela razão mencionada anteriormente. Em 590, no entanto, em um período em que Roma sofria com pragas, o Arcanjo Miguel apareceu para o Papa Gregório I durante uma procissão ao mausoléu e embainhou sua espada, um sinal de que a praga chegava ao fim. Para os céticos que estão lendo este artigo, tudo o que podemos dizer é que a praga, de fato, acabou e que ainda é possível ver o que parecem pegadas onde o Arcanjo Miguel teria pisado. Então, em honra ao Arcanjo Miguel, e às boas novas que ele trouxe, o Mausoléu de Adriano foi renomeado como Castelo Sant’Angelo, e uma estátua do anjo foi colocada no topo da construção.

2. O anjo

A estátua no topo da construção, no entanto, acabou tendo uma história interessante e problemática por si só. A primeira versão foi feita em madeira e ficou tão danificada com o passar do tempo que se desfez. Assim, um anjo de mármore substituiu a madeira e foi destruído em uma batalha em 1379. Uma terceira estátua foi feita, um anjo de mármore com asas de bronze, que foi incinerado por um raio em 1497. Em seu lugar, um novo anjo, dessa vez de ouro, foi colocado no local, sendo removido e derretido para fazer canhões durante o saque de Roma em 1527 pelas tropas de Lansquenetes do Sacro Império Romano-Germânico. Depois disso, outro anjo foi feito para a construção em mármore e bronze, mas foi em 1573 que chegou o último e atual anjo, moldado em bronze.

3. A ponte

Quando pensamos no Castelo Sant’Angelo, a imagem que vem à mente é da fortaleza redonda com a entrada da Ponte Sant’Angelo (também chamada Ponte Elio), a icônica ligação que atravessa o Rio Tibre adornada por estátuas de mármore. Naquela época, ao invés das magníficas estátuas de Bernini, a ponte era decorada com a cabeça dos que eram sentenciados à morte: definitivamente, uma forma mais macabra de decoração, que servia como aviso para quem passava por ela.

4. O carrasco

Todas essas cabeças da Ponte Sant’Angelo não chegaram ali por conta própria – o executor oficial, ou carrasco, do Estado Papal fazia o “trabalho sujo”. Por um período durante o século XIV, esse papel era feito por Mastro Titta, que cumpria dupla jornada como carrasco e fabricante de guarda-chuvas. Ele morava e trabalhava em sua loja de guarda-chuvas em Borgo, uma curta distância do Castelo Sant’Angelo, e costumava tirar uma folga e caminhar pela Ponte Sant’Angelo sempre que seus serviços de executor eram solicitados nas praças principais do lado oposto do Rio Tibre.

View this post on Instagram

La storia di Mastro Titta, "il boia di Roma" . Al secolo Giovanni Battista Bugatti nato a Senigallia il 6 marzo 1779 e morto serenamente nel suo letto a 90 anni suonati. Conosciuto soprattutto come " Mastro Titta er Boja de Roma", celebre esecutore di sentenze capitali dello Stato Pontificio. Una carriera iniziata a soli 17 anni il 22 marzo 1796. 68 anni di servizio, 516 persone «tormentate» o giustiziate, usando l'impiccagione, la mannaia, la ghigliottina. Senza dimenticare la «mazzolatura», una forma crudelissima di morte, eseguita colpendo con una mazza il condannato in ginocchio. Sentenze che venivano eseguite in piazza, davanti a centinaia di spettatori. Assistettero alle sue esecuzioni sicuramente Alexandre Dumas, George Byron e Charles Dickens. L'attività di mastro Titta oggi può far inorridire, ma quelli di Bugatti erano secoli di ferro. La tortura nelle inchieste giudiziarie era prevista dai codici penali ed era ipocritamente preceduta da una visita medica per accertare che l'indagato fosse in grado di sopportarla, Di conseguenza le punizioni erano altrettanto dure e spietate e a eseguirle venivano chiamati degli «specializzati» che si muovevano all'interno dei confini dello stato. Difatti la prima esecuzione di Mastro Titta fu a Foligno, dove appunto il 22 marzo 1796 impiccò Nicola Gentilucci, reo di aver ucciso un sacerdote, il suo cocchiere e due frati. Come spesso capitava, il giustiziato veniva poi anche decapitato, la sua testa infissa su un palo e infine squartato e i «quarti» esposti ai quattro lati del patibolo. Il tutto in pubblico ovviamente. Le esecuzioni infatti avvenivano in piazza con tanto di annuncio di luogo e ora, per essere di monito al popolo. Un simile personaggio non poteva non alimentare storie, aneddoti e modi di dire come «Boia nun passa ponte». Bugatti infatti abitava sulla sponda destra del Tevere a ridosso dei palazzi vaticani, in via del Campanile 2 dove, se non era di servizio, vendeva e riparava ombrelli. Vista la sua attività gli era sconsigliato di farsi vedere troppo in giro e per questo non attraversava mai ponte Sant'Angelo.

A post shared by Amanti della storia (@amanti.della.storia) on

5. Na cultura pop

O Castelo Sant’Angelo inspirou muitas personalidades, cineastas e compositores ao longo dos anos. Seu terraço é o ponto onde Tosca salta no terceiro ato da famosa ópera de Puccini. A fortaleza também aparece no filme “Anjos e Demônios” e nos games “Assassin’s Creed II” e “Assassin’s Creed: Brotherhood”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Close