Close
Caminhos literários e lugares imperdíveis em Trieste

Caminhos literários e lugares imperdíveis em Trieste

Uma cidade literária sempre pode oferecer coisas especiais a seus visitantes. Deixamos aqui algumas dicas de lugares e caminhos literários que você não pode perder em Trieste, na Itália.

As pessoas apaixonadas por viajar através dos grandes clássicos da literatura também costumam gostar de conhecer os lugares que inspiraram estas histórias. O leitor mais ávido e dedicado também vai querer estar no lugar onde seu autor ou autora favorita se sentou para criar suas histórias. Ou, quem sabe, conhecer um bar ou uma loja com a decoração e ambientação de uma importante cena de algum romance que ficou marcado para sempre na memória.

Trieste é uma das cidades mais “literárias” da Itália: berço de dois grandes autores italianos – Umberto Saba e Italo Svevo, também foi a cidade escolhida por James Joyce ao se exiliar. Para todos os amantes da literatura, eis aqui o melhor de Trieste: o espírito dos grandes clássicos ainda vivos entre monumentos, locais e trilhas literárias.

As estátuas

Estes três célebres escritores do século XX se tornaram algo como santos padroeiros da cidade, com estátuas sendo erguidas em sua homenagem, todas parte da peregrinação literária por Trieste. Umberto Saba está na Via Dante, com seu cachimbo, chapéu e bengala de sempre, se misturando entre os habitantes da cidade. A estátua de James Joyce fica atravessando a ponte na Via Roma, enquanto Italo Svevo dá as boas-vindas aos visitantes da Piazza Hortis, com um chapéu e um livro em mãos.

Museus

Como se não bastasse, além das estátuas, os grandes escritores de Trieste têm também seus próprios museus. O Museu Sveviano mantém os manuscritos e as cópias da primeira edição da maioria das obras de Italo Svevo: peças, ensaios, artigos, contos, fábulas, anotações em diários e até parte de sua correspondência, levando o visitante a uma jornada pela história da literatura, com cartas de James Joyce, Montale, André Gide e outros escritores. O Museu Sveviano também inclui uma biblioteca bastante grande, com livros que pertenceram ao próprio autor, além de fotografias originais que fazem com que a gente se sinta vivendo na mesma época que Svevo. O museu também organiza o Serate Sveviane (“Noites Svevianas”), quando suas peças de teatro são encenadas. De forma parecida, o museu de James Joyce celebra o Bloomsday todos os anos, com leituras de passagens de Ulisses, palestras, exibições de filmes e muito mais.

Os arcos

Passear pelas ruas da cidade parece até uma viagem através do tempo– e também dos livros. Os arcos de Chiozza aparecem na obra Senilità, de Svevo. É um lugar para onde o autor costumava ir todos os dias com seus amigos, os artistas Umberto Veruda, Carlo Wostry e Isidoro Grünhut, grandes pintores e apoiadores do Círculo Artístico de Trieste.

A livraria e o antiquário Umberto Saba

Não existem museus oficiais dedicados a Umberto Saba e seu trabalho. Entretanto, essa livraria e antiquário preserva respeitosamente toda sua herança (além de ser um paraíso para os amantes de livros). Aqui, você encontra materiais que pertenceram ao poeta, como fotos e imagens, livros, e uma lendária máquina de escrever da marca Olivetti, na qual ele escreveu Il Canzoniere.

Via del Monte

Na Via del Monte, no gueto judeu, é possível encontrar a casa da babá de Umberto Saba. Em seu poema de nome Via del Monte, o autor chama o lugar de “o caminho dos santos sofredores”, já que ele era muito apegado a esta babá e foi cuidado por ela durante seus três primeiros anos de vida. Sua mãe a demitiu quando descobriu que ela estava tentando, às escondidas, dar uma educação católica ao pequeno Umberto.

View this post on Instagram

#trieste #viadelmonte

A post shared by Lavinia Fernandes (@lavinea_bolsas) on

Caffè Stella Polare

Foi nas mesas deste elegante café que James Joyce, na época em que lecionava na Berlitz School, começou a escrever “Finnegan’s Wake”. Aqui você pode respirar a atmosfera do passado, com garçons vestindo uniformes de época em uma sala de chá decorada com imagens antigas da Praça de Trieste, a qual está bastante diferente hoje em dia. Exposições de pintura e fotografia acontecem o ano todo na sala principal, onde os clientes podem tomar um café enquanto admiram as obras.

View this post on Instagram

📝Trieste e i suoi Caffè storici: il Caffè Stella Polare, datato 1867 (e ricostruito poi nel 1904) nacque con l'arredamento tipico delo stile austro-ungarico. Un tempo frequentato da artisti e intellettuali (tra cui Umberto Saba) soprattutto tedeschi, durante l'occupazione angloamericana si trasformò in una sala da ballo che divenne teatro di incontri tra soldati e ragazze triestine. #triesteraccontatrieste #trieste #stellapolare #volgotrieste #ig_trieste #triestesocial #discover_trieste #triestefvgphotographers #igersts #fvglive #igersfvg #friuliveneziagiulia #localistorici #travelgram #travelphotography #instatravel #triesteguida #cittaitaliane #coffeelovers #caffè #momentocultura

A post shared by I R E N E 💬 (@un_nome_con_due_e) on

Café San Marco

O Café San Marco é muito mais do que um dos pontos literários de Trieste: ele foi um dos principais pontos de encontro entre os intelectuais do século XX, sendo também um dos estabelecimentos mais antigos da cidade. Fundado em 1914, o local ainda conta com os mesmos móveis e decoração, os quais são referência no estilo da Secessão Vienense, em alta na época em que foi aberto. As paredes e os tetos são decorados com nus masculinos, folhas e flores de café, enquanto as mesas de mármore com pernas de ferro fundido são decoradas com cabeças de leões.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Close