Close
Velázquez em 8 pinturas

Velázquez em 8 pinturas

Hoje Musement apresenta oito das pinturas mais emblemáticas de Velázquez.

Diego Rodríguez de Silva Velázquez (1599-1660) foi um artista crucial durante a era de ouro da arte espanhola, que durou de 1580 a 1680. Nativo de Sevilha, ganhou espaço como um dos artistas barrocos mais importantes da sua época. Com o domínio de técnicas de iluminação, o estilo de Velázquez evoluiu do tenebrismo, técnica típica de Caravaggio, que ele empregou em seus primeiros anos, para um estilo em que adotava mais o uso de efeitos luminosos, que o tornou um mestre da arte pictórica.

Aos 24 anos, mudou-se para Madri e foi nomeado o artista oficial da corte do rei Filipe IV. Durante esse período, criou as obras pelas quais se tornou internacionalmente conhecido. Entre os 120 quadros que pintou, abaixo você confere oito dos mais emblemáticos.

1. “Las Meninas”, 1656

Sendo a peça mais famosa de Diego Velázquez, “Las Meninas” é cheia de mistério e sua interpretação deu margem para a criação de diversas teorias. No entanto, a experiência de Velázquez em relação à composição, perspectiva e iluminação é indiscutível. O tema é a Infanta Margarita e suas damas de companhia, María Agustina Sarmiento e Isabel de Velasco, embora várias outras pessoas também apareçam na pintura, incluindo o próprio artista.

Local: Museu do Prado, Madri

View this post on Instagram

🖼️ Las Meninas, 1656 🎨 Diego Velázquez 🏛️ Museo del Prado, Madrid Las Meninas was painted in 1656 in the Cuarto del Príncipe in the Alcázar in Madrid, which is the room depicted in the work. We can identify most of the members of the court service grouped around the Infanta Margarita, who is attended by two of the Queen’s meninas or maids-of honour: María Agustina Sarmiento and Isabel de Velasco. We also see the artist himself working on a large canvas, the dwarves Mari Bárbola and Nicolasito Pertusato. More 📃 DailyArtMagazine.com ✍️ @zstanska #artnerd #artshare #artsagram #arthistory #art #arte #arthistorian #artlovers #artsharing #dailyart #dailyartmag #dailyartapp #artist #painting #kunst #kunstgeschichte #museumnerd #museumlover #paintinglover #gallerylover #artsy #artmuseum #paintingoftheday #painter #lasmeninas #velazquez

A post shared by DailyArtMagazine (@dailyartmagazine) on

2. “O Triunfo de Baco” (ou Os Bêbados), 1628–1629

Um dos temas que Velázquez explorou em suas pinturas foi a mitologia, e o “Triunfo de Baco” foi a primeira de suas obras a retratar o gênero. A pintura possui elementos de naturalismo, exemplificados por uma garrafa e uma jarra no chão, tendo o deus do vinho coroando um soldado entre um grupo de homens bêbados como tema principal. Através de técnicas de sombreamento, Velázquez deu textura ao quadro, praticamente criando uma natureza morta. O artista queria exaltar a capacidade do vinho de consolar o homem.

Local: Museu do Prado, Madri

3.”Vênus ao Espelho”, 1647-1651

Vênus ao Espelho foi pintado enquanto Diego Velázquez estava na Itália, e gerou bastante controvérsia ao longo da história devido a alguns dos significados que lhe foram atribuídos. É a única obra do artista em que uma mulher aparece nua. Alguns especialistas acreditam que a mulher representada na imagem era a amante italiana de Velázquez, enquanto outros afirmam que era amante do sobrinho do conde-duque de Olivares. Quem quer que seja, vemos a deusa Vênus reclinada na cama, olhando-se em um espelho erguido por Cupido, o deus do amor. É uma temática mitológica à qual Velázquez deu realismo ao representar a mulher como pessoa, em vez de deusa.

Local: Galeria Nacional, Londres

4.“Retrato Equestre do Conde-Duque de Olivares”, 1636

Este óleo sobre tela representa uma exceção ao estilo do pintor. Vemos características atípicas em comparação com outras obras de Velázquez, como a presença de mais cores e um estilo mais pomposo. Com Gaspar de Guzmán, conhecido como o conde-duque de Olivares, como tema, esse retrato do hipismo transmite vitalidade ao mesmo tempo que homenageia um indivíduo com muito poder, conforme implícito pela armadura, pelo chapéu e pela faixa de oficial.

Local: Museu do Prado, Madri

5. ”Cristo Crucificado”, 1632

O impacto de Cristo Crucificado foi tão grande que Miguel de Unamuno dedicou um poema (O Cristo Velázquez) à obra. O ar de misticismo que a tela transmite não deixa espaço para indiferença. A obra consiste em um plano frontal de Cristo nu, pregado na cruz, em um fundo preto. Foi pintada com muita técnica, fato que podemos observar nas proporções do corpo e na maneira como o artista é capaz de transmitir serenidade e dignidade.

Local: Museu do Prado, Madri

6. “O Aguadeiro de Sevilha”, 1619-1620

Essa obra tem como base o realismo, representado pelos tons ocres e marrons, e caracterizado pelo uso da técnica de claro-escuro (chiaroscuro), típica de Caravaggio. A pintura representa uma interpretação das três idades do homem, retratando o velho, um vendedor de água que oferece um copo de água a um menino (que também representa a transmissão de conhecimento), enquanto outro homem no fundo contempla a cena.

Local: Apsley House Collection, Londres

View this post on Instagram

Velasquez. Grateful he’s in London.🔥

A post shared by Alden R. Bennett (@aldenrbennett) on

7. “Autorretrato”, 1640

Apesar de sua péssima condição de preservação, esse autorretrato é a única obra do artista como tal (além da aparência que ele fez em Las Meninas). Com uma variedade de cores escuras e pinceladas grosseiras, o pintor encara espectador na pintura. Acredita-se que quando essa tela foi pintada Velázquez tinha cerca de 50 anos e que ela tenha sido feita durante sua segunda estadia na Itália.

Local: Museu de Belas Artes de Valencia

8. “O Mito de Aracne” (ou As Fiandeiras), 1655-1660

Em “O Mito de Aracne”, Velázquez retorna à mitologia (que é onde o outro nome da pintura, As Fiandeiras, origina-se). Embora à primeira vista a pintura parece representar mulheres que trabalham em uma oficina de tapeçaria, sua iconografia remete à fábula em que Minerva puniu Aracne após uma competição de tecelagem, transformando-a em aranha e condenando-a a tecer pelo resto de seus dias. Atenas é retratada como uma mulher idosa e Aracne aparece à sua direita.

Local: Museu do Prado, Madri

Créditos foto de capa: Welcome to all and thank you for your visit ! ツ de Pixabay

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Close