Close
10 obras de arte imperdíveis no Met

10 obras de arte imperdíveis no Met

Confira obras icônicas como Madame X de John Singer e A Morte de Socrates de Jacques-Louis David.

Nova York, a cidade que nunca dorme, é o lar de alguns dos restaurantes mais românticos do mundo, belos arranha-céus, deliciosas pizzas e ótimas paisagens artísticas. Mas não podemos esquecer dos fascinantes museus. O Met (Museu Metropolitano de Arte), é um dos principais museus do mundo e de longe o maior dos Estados Unidos. Com mais de 2 milhões de metros quadrados, o lendário museu foi fundado em 1870 e contém mais de 2 milhões de obras, algumas com mais de 5.000 anos.

Com obras do antigo Egito a todos os principais movimentos europeus, e arte americana e moderna, é fácil entender por que alguém pode passar dias explorando este tesouro nacional. Só a coleção permanente do Met ocupa dezessete departamentos diferentes, além disso, as salas labirínticas podem tornar a navegação um pouco confusa.

Para ajudar no planejamento da sua visita, decidimos compartilhar 10 obras imperdíveis que ajudarão a otimizar o seu tempo durante uma visita ao Met.

1. Autorretrato com um chapéu de palha, Vincent van Gogh, 1887

Uma das pinturas mais famosas de Van Gogh, a obra Autorretrato com um chapéu de palha, foi concluída durante a estada do pintor em Paris de 1886-1888. Enquanto estava com seu irmão, Van Gogh comprou o melhor espelho que pôde pagar e produziu mais de vinte autorretratos. Ele era frequentemente o tema de suas próprias pinturas, principalmente quando não tinha dinheiro para contratar um modelo ou se sentia antissocial. Com base na expressão sombria em seu rosto, pode ser seguro dizer que esta foi a última obra do pintor. Em cada pincelada de Vincent van Gogh é possível notar a icônica técnica de empasto que hipnotiza o espectador. Os traços curtos e afiados sugerem a personalidade do pintor. Galeria 825

2. A Morte de Sócrates, Jacques-Louis David, 1787

Esta obra neoclássica retrata os momentos imediatamente antes da morte do grande filósofo Sócrates. Acredita-se que na antiga Atenas, Sócrates foi condenado por corromper a juventude e negar os deuses. Com a opção de renunciar às suas ideias ou beber cicuta venenosa, Sócrates optou pela segunda opção e morreu por suas crenças. Jacques Louis David mostra Sócrates como um velho sentado em uma cama, com uma mão pronta para pegar o copo de veneno, enquanto a outra apontando para cima, talvez para o céu? Seus seguidores olham incrédulos, alguns com as mãos sobre os olhos, enquanto Sócrates lhes dá um sermão pela última vez. A mulher ao fundo com a mão levantada é considerada a esposa de Sócrates, se despedindo de seu marido. Galeria 614

3. Caveira de vaca: vermelho, branco e azul, Georgia O’Keeffe, 1931

Parte da coleção Alfred Stieglitz, este óleo sobre tela de Georgia O’Keeffe representa sua ideia da “Grande História Americana”. Depois de passar um tempo no Novo México e Lake George, Nova York, seu interesse por pinturas mudou. Em vez de grandes edifícios de Nova York, o foco de O’Keeffe se voltou para a natureza, especialmente crânios. Nesta pintura, as superfícies desgastadas do crânio e as bordas denteadas representam a beleza do deserto americano e a força do espírito americano. O fundo vermelho, branco e azul dá aquele toque final, uma sensação de patriotismo americano.

4. A Esfinge de Hatshepsut, por volta de 1479-1458 a.C.

Hatshepsut, que significa “A mais importante das nobres damas”, foi a primeira, e uma das duas únicas faraós da história egípcia antiga. Ela subiu ao trono em 1478 a.C. aos 29 anos. Sua esfinge, de granito, mostra o corpo de um leão com cabeça humana. Ela está vestida com um lenço listrado (nemes) e uma barba postiça, duas características principais de um faraó egípcio. Galeria 131

5. Ponte sobre uma lagoa de nenúfares, Claude Monet, 1899

Os Nenúfares de Claude Monet são uma das séries de pinturas mais famosas da história da arte. Durante seus últimos 30 anos de vida, o fundador do impressionismo voltou-se para o jardim de flores e o lago em seu quintal em Giverny. Monet realmente se concentrou nos efeitos da luz e do sol em suas obras, e dominou isso com mais de 250 pinturas a óleo. Esta versão específica inclui sua passarela japonesa, que foi o foco em 12 das 18 pinturas que ele concluiu em 1899. Está obra clássica atemporal é imperdível quando você está visitando o Met. Galeria 819

6. Madonna e o menino entronizado com os santos, Rafael, por volta de 1504

Como parte de um altar para o convento franciscano de Sant’Antonio em Perugia, o artista italiano renascentista concluiu esta pintura no início do século XVI. Acredita-se que a escolha de roupas conservadoras dos santos e um menino Jesus totalmente vestido tenha sido um pedido das freiras. Foi instalado em uma área reservada exclusivamente para freiras por mais de um século. Maria está sentada em um trono, na frente e no centro, enquanto os santos a cercam e ela olha para o bebê São João Batista. O dossel semicírculo no topo mostra o mundo divino, retratando dois anjos com Deus no centro. Galeria 962

7. Madame X, John Singer Sargeant, 1883-1884

A obra mais controversa de Singer também é considerada a melhor. Madame X, Virginie Avegno Gautreau, era a esposa americana de um banqueiro francês, famosa na capital francesa por sua beleza. Singer teve a oportunidade de pintar um retrato dela para o Salão de Paris em 1884. O vestido de cetim preto que ela usava contrastava perfeitamente com sua pele clara. Depois de receber muitas críticas por exibir o estilo ousado de sua modelo com a alça do vestido escorregando de seu ombro direito, Singer foi convidado a retirar a pintura da exposição. Hoje, esta obra de arte no Met gera grandes multidões devido à sua popularidade e à história por trás desta obra-prima. Galeria 771

8. Ritmo de outono: Número 30, Jackson Pollock, 1950

O artista americano Jason Pollock é uma das forças motrizes do movimento expressionismo abstrato. Ritmo de outono: Número 30 é uma de suas obras mais notáveis e foi revolucionária para a arte moderna e contemporânea. Sua técnica de pintura derramada deu-lhe a liberdade de pintar livremente, pingando, sacudindo e respingando tinta sobre uma tela grande. O que pode parecer apenas um monte de tinta jogada em uma tela algo que pode ter sido intencional, mostrando a inteligência física de Pollock. Ele não apenas teve grande influência no mundo da pintura, mas também no mundo da moda. Galeria 919

9. Aristóteles com um busto de Homero, Rembrandt van Rijn, 1653

O retrato de Rembrandt do filósofo grego Aristóteles é considerado um dos maiores retratos do século XVII. Com uma das mãos no quadril e a outra tocando O busto de Homero, Aristóteles parece estar pensando. Será que ele está comparando seu sucesso ao de Homero? Um medalhão de Alexandre, o Grande, está pendurado em sua corrente de ouro. O pintor holandês usa a iluminação para lançar um raio de luz através do que o espectador pode imaginar ser uma janela que ilumina o rosto de Aristóteles. A pintura em estilo barroco foi concluída para o patrono siciliano Antonio Ruffo. Galeria 964

10. A Aula de Dança, Edgar Degas, 1874

O pintor impressionista francês dedicou seu tempo a obras temáticas de dança, mais especificamente bailarinas. Degas conseguiu aperfeiçoar a postura e os movimentos corporais das bailarinas após assistir aos ensaios de dança do mestre francês Jules Perrault na Ópera de Paris. Este trabalho em particular mostra uma bailarina executando um “movimento” enquanto Perrault a observava. Outros dançarinos podem ser vistos praticando seus movimentos de dança enquanto aguardam sua vez de se apresentar para o professor. Degas era um mestre em sombreamento de cores, e isso está em exibição completa nesta obra. Outra obra de balé renomada de Degas, A Aula de Ballet, pode ser encontrada no Museu Orsay. Galeria 815

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Close