Close
8 obras imperdíveis no Museu Reina Sofia

8 obras imperdíveis no Museu Reina Sofia

De Picasso a Joan Miró, Musement compartilha oito obras de arte inesquecíveis do Museu Reina Sofia, em Madrid.

O Museu Nacional Reina Sofía em Madrid, abriga várias obras de arte moderna de diversos artistas. Confira oito que você não pode perder.

1. Guernica, Pablo Picasso, 1937

Uma das obras mais emblemáticas do brilhante pintor espanhol, esta pintura em tons de cinza, branco e preto representa a tragédia da Guerra Civil Espanhola: o bombardeio de sua pequena cidade no norte da Espanha. Suas dimensões, com quase um metro e meio de comprimento, bem como a ausência de cor, fazem com que esta seja uma obra impressionante.

2. La table du musicien (A mesa do músico), de Juan Gris, 1926

Esta peça, representa a predileção do artista por instrumentos musicais e objetos desse tipo, é uma bela pintura a óleo que nos obriga a contemplá-la com serenidade. Juan Gris é um dos mestres do cubismo, e o Museu Reina Sofia é o lar de várias de suas obras.

3. Visage du Grand Masturbateur (Rosto do grande masturbador), Salvador Dalí, 1929

Esta pintura é caracterizada por formas distorcidas e evocativas entre uma paisagem desolada, com um horizonte claro, emblemático de Dalí. Ele a pintou durante seus primeiros dias com Gala, aquela que se tornaria sua nova e incondicional musa pelo resto de sua vida. A imagem mostra como o artista se representou várias vezes, em cenas que ocorrem simultaneamente, enquanto tudo gira em torno de uma rocha peculiar em Cap de Creus, na qual ele pensou ter adivinhado seu rosto.

4. Blau amb quatre barres rogues (Azul com quatro barras vermelhas), Antoni Tàpies, 1966

A peça, criada por um dos mais destacados artistas catalães, é um reflexo fiel do estilo particular que o caracterizou. Tàpies, um expoente do informalismo, experimentou texturas, materiais terrosos e improvisados, em uma paleta de cores que sempre transmite uma certa serenidade. Ele não hesitou em usar materiais pobres e até resíduos, dando-lhes uma nova vida que ia além de estilos e conceitos, misturando técnicas e texturas, para criar seu próprio caráter peculiar.

5. Cartes et dés (Cartas e Dados), Georges Braque, 1914

O cubismo tem a capacidade de capturar seus espectadores, fazendo-os viajar através de suas formas e bordas. Esta obra tem a particularidade de ter sido pintada pouco antes do início da Primeira Guerra Mundial, quando Braque e Picasso estavam seguindo, artisticamente, caminhos muito semelhantes. Já após a guerra, os dois artistas evoluíram para caminhos diferentes. Neste trabalho, no qual tudo o que é representado gira em torno do mundo dos jogos de azar, são mostrados volumes de grande complexidade, incluindo o uso de diferentes materiais que o artista empregou em busca do efeito que seduz o espectador.

6. Totalisateur (Totalizador), Francis Picabia, 1922

Esse artista multidisciplinar viajou do impressionismo ao surrealismo, passando pelo cubismo e o fascinante movimento dadaísta. Neste trabalho, Picabia brinca com a abstração geométrica, aperfeiçoando seu estilo até alcançar aquela particularidade que o torna um artista tão valorizado. Nesta peça, ele conversa com a gente através de uma linguagem formal, tirada da mecânica e maquinaria, sem deixar de lado o simbolismo sexual.

7. Peinture (Escargot, femme, fleur, étoile) (Pintura [Caracol, Mulher, Flor, Estrela]), Joan Miró, 1934

Nesta peça, o artista revela seu estado emocional através de figuras grotescas e uma certa monstruosidade. Ele estava preocupado com os tempos convulsivos na Europa, transmitindo angústia à primeira vista. O trabalho de Miró, que era marcado por ingenuidade, luz e infantilidade, mudou seu crommaticismo, mas continua sendo uma das obras mais excepcionais do artista, cheia de lirismo.

View this post on Instagram

⭕ by Francis Picabia #Totalisateur

A post shared by (@ringredring) on

8. Contre le fonctionnalisme idéaliste. Le fonctionnement simbique-physique matérialiste (Contra o funcionalismo idealista. O funcionamento físico-simbólico materialista), Brassaï, 1933

Esta fotografia, posicionada em brometo de gelatina no papel, mostra um instante capturado pelo fotógrafo húngaro. Seu trabalho tenta imortalizar a beleza de uma perspectiva distinta. Na marcada por um título reflexivo e terreno.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Close